Inscrições abertas

Celebração dos 5 anos do Colégio Frei Carlos Vicuña

Celebração dos 5 anos do Colégio

Agradecer também faz parte da oração, como diz uma canção popular. Neste sentido, no dia 13 de novembro de 2018, no Espaço Mandela, ocorreu a Celebração Eucarística em Ação de Graças pelos cinco anos do Colégio Agostiniano Frei Carlos Vicuña. Alunos, ex-alunos, professores e todos os colaboradores do nosso colégio vivenciaram este lindo momento de revisitar a história da nossa instituição, agradecendo por cada experiência aqui vivenciada, como também pedir pelos trabalhos futuros que temos pela frente.

A celebração foi presidida pelo Frei Jefferson Felipe da Cruz, OSA contando também com a presença de vários freis agostinianos, formandos da Fraternidade Agostiniana (Barreiro) e convidados das diversas unidades de ensino da Sociedade Inteligência e Coração – SIC, nossa mantenedora.

Arlene Faria – Diretora do Colégio

Para abrilhantar nossa celebração, tivemos a apresentação do Coral Canto Livre de Betim, que juntamente com nosso colaborador Alex, nos proporcionaram um contato com a beleza através do canto. Nossa colaboradora Andreza também nos fez aproximar mais do carisma agostiniano, ao cantar um dos poemas mais conhecidos de nosso patrono, Santo Agostinho, “Tarde te amei”. Ao final, nossa diretora, Arlene Faria, realizou um pronunciamento encorajando nossos alunos e nossa equipe a continuar acreditando no valor fundamental da educação para a transformação da vida de diversas pessoas. Para que assim, não possamos celebrar apenas cinco anos, mas sim dez, vinte, trinta anos MUDANDO VIDAS E CONSTRUINDO HISTÓRIAS.

Equipe do Colégio Agostiniano Frei Carlos Vicuña

Confira fotos desse momento especial.

Texto de Caio Filipe de Lima Pereira – Assessor Religioso – DEPAS

Café Filosófico 2018 – Somos todos Negritude!

A edição do Café Filosófico 2018 do Colégio Agostiniano Frei Carlos Vicuña proporcionou aos alunos uma imersão nos elementos da cultura afro levando a uma reflexão do papel do negro na sociedade atual.  Uma oportunidade de evidenciar a cultura africana e sua influência na cultura brasileira celebrando o dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra!

Durante o Café Filosófico os alunos participaram de algumas atividades com temáticas africanas: oficina de artesanato africano com tranças e amarrações na confecção de pulseiras, o bingo cultural homenageando o centenário de Nelson Mandela, uma oficina sobre o negro e seu biótipo e a oficina sobre o sincretismo religioso das culturas africanas e as religiões com origem africana que hoje existem no Brasil.

Para finalizar o evento aconteceu um bate papo sobre Negritude, regado a um delicioso café da manhã feito pelos alunos, com a participação dos professores do Colégio Santo Agostinho de Contagem, Cassiana Matos de Moura e Luiz Henrique de Oliveira Reis.

Bate papo do Café Filósico 2018

Uma grata surpresa, durante o bate papo, foi o aluno Julio Cesar do Ensino Médio que nos presenteou com poemas autorais em homenagem ao Dia da Consciência Negra.

A palestrante Cassiana Matos e o Aluno Júlio César no Café Filósico 2018

Para Rodrigo Moreno, professor de Filosofia, Sociologia, Ensino Religioso e responsável pelo evento:

“ Somos todos África! A negritude faz parte de nossa existência.  Ela transforma os horizontes e constrói caminhos de liberdade e igualdade. Liberdade de ser respeitado e de se apropriar de sua igualdade. Humanamente somos iguais, porém somos ricos de diversidade e de personalidades únicas e marcantes.

Consciência Negra é assumir-nos como filhos de um Brasil e filhos de uma história que foi dolorosa e ainda é, mas acima de tudo é nossa história e molda os horizontes para um novo futuro. Consciência Negra é um passo para que um outro mundo seja possível! ”

clique aqui e confira as fotos do evento no Flickr do Colégio.

 

Alunos recebem a visita do escritor Flávio Berutti

O segundo semestre letivo de 2018 em nossa escola foi bastante intenso. Vários foram os projetos, as implementações e as novas propostas realizadas por professores e por colaboradores. Entre eles, o professor Ilan Miranda, de Língua Portuguesa do 9º período do Ensino Fundamental, indicou para os alunos a leitura de um livro com o objetivo de inserir esse importante hábito no cotidiano de nossos discentes de maneira leve e gradativa. O livro escolhido foi o Brasil, 500 anos de esperança, de Flávio Berutti.

A obra foi adotada por sua linguagem direta e por abordar de forma suave um panorama dos principais aspectos históricos que formaram o Brasil que conhecemos nos dias de hoje, o que nos permite entender um pouco melhor o cenário político, econômico, social, cultural que vivemos. A leitura foi iniciada em sala de aula, como forma de instigar os alunos, e concluída em casa. Para tanto, foi feita uma escala de troca de livros, a fim de que, no final de duas semanas, todos tivessem a oportunidade de concluir a tarefa. Após a leitura, foi feita uma atividade em que eles puderam mostram sua própria interpretação da obra.

Mas o ápice dessa proposta foi a visita do próprio escritor, Flávio Berutti, à turma do 9º período para um bate papo informal acerca das impressões que cada um teve do livro. O autor, que é professor de história e nosso colega no Colégio Santo Agostinho de Contagem, deu o pontapé inicial na roda de conversa expondo os anseios e os objetivos que o levaram a tornar-se escritor de livros e a escrever a obra que tínhamos trabalhado. Depois abriu a oportunidade para uma conversa, na qual os alunos expuseram suas dúvidas, seus próprios anseios e o que aprenderam ao ler o livro Brasil, 500 anos de esperança.

Foi um momento de colaborações ricas e de intenso crescimento para todos que estavam envolvidos no trabalho. Dava para perceber na fala dos alunos e nos olhares atentos a semente do conhecimento germinar e apresentar seus primeiros frutos.